×
Segue-nos!
  • Magrelos vai continuar a escrever história , agora em Idanha a Nova

    Ver Mais
  • FC Paços de Ferreira com prejuízo de 1,5 milhões em 2019/2020

    FUTEBOL
    Ver Mais
  • Águas Santas em zona de voo Europeu

    ANDEBOL
    Ver Mais
  • AF Porto vai realizar teste ao COVID-19 aos atletas

    FUTEBOL | AF PORTO
    Ver Mais
  • Reformulação do Calendário Ciclocrosse 2020/2021

    CICLISMO | CICLOCROSSE
    Ver Mais
  • Federação de Hóquei adia competições sem data de regresso

    HÓQUEI EM CAMPO
    Ver Mais
  • Benfica vence e olha mais perto o topo

    BASQUETEBOL
    Ver Mais

Futebol Formação e o Jogo. Estaremos nós no Caminho certo

Ângelo Miguel Brito

As variantes de Jogo no Futebol de Formação
 
Estaremos nós no caminho certo?

No âmbito dos campeonatos de futebol infantojuvenis, a distribuição dos jovens jogadores pelos diferentes escalões é realizada em função da idade, sendo os jogos disputados em contextos que variam de acordo com o respetivo escalão. Em Portugal, a organização dos campeonatos de futebol infantojuvenis são da responsabilidade das Associações de Futebol de cada distrito. De acordo com dados recolhidos em 2018 era este o panorama nacional.
Apesar desta informação, ainda persistem dúvidas acerca da adequação destas variantes de jogo numa perspetiva de formação progressiva dos jogadores de futebol, especialmente nas idades mais jovens. 
 
Afinal, quais serão as variantes de jogo mais adequadas ao desenvolvimento dos nossos jogadores em cada escalão etário? 
Comecemos por analisar quais as variantes de jogo utilizados nos países Europeus de maior expressão.

Notas:A amostra para este trabalho consistiu em 33 países dos mais representativos no panorama Europeu.Fonte de recolha: http://pt.uefa.com
 
 
 
 
Pese embora seja evidente a predominância do Fut-11, importa destacar outras variantes que são utilizadas de forma expressiva nos 33 países Europeus analisados, nomeadamente o Fut-7 (utilizado em 23 países), tal como o Fut-5 e o Fut-9 (utilizado por 18 países).Como variantes menos utilizadas emergem o Fut-4 (em 5 países), o Fut-3 (em 6 países) e o Fut-6 (em 7 países).
 
Mas como evoluirá a taxa de utilização das diferentes variantes ao longo dos diferentes escalões etários?
 
Apesar das diferenças encontradas entre os países analisados, emerge uma tendência global para que a utilização das variantes de jogo seja progressiva e proporcional aos escalões etários. Parece evidente que ao aumento da idade dos jogadores corresponde uma tendência para utilizar-se uma variante de jogo com maior número de jogadores. 
 
Quais serão então as variantes de jogo mais utilizadas em cada escalão?
 
Como se pode verificar, a partir do escalão de Sub-14 todos os países amostrados utilizam a variante de Fut-11. Contudo, já a partir dos sub-13 esta é a variante de jogo com maior predominância.
O Fut-5, Fut-7 e Fut-9 são também consistentemente utilizados entre os países Europeus amostrados.
O Fut-5 predomina entre os escalões Sub-6 e Sub-8; O Fut-7 entre os escalões Sub-9 e Sub-11; O Fut-9 no escalão Sub-12. 
As restantes variantes apresentam menores frequências de utilização, mas é interessante constatar a preocupação de alguns países Europeus na sua adoção em idades muito precisas, o que denota a preocupação no ajustamento das variantes de jogo mais adequadas a cada idade ou etapa de desenvolvimento.
Curiosamente o Fut-8 surge em 7 escalões etários, embora sem nunca se assumir como uma variante de jogo predominante em nenhum escalão. O mesmo acontece com o Fut-6, que tem pouca expressão global apesar de constar em 5 escalões etários. 
 
Será por serem variantes de jogo com número par de jogadores? 
A análise mostra um claro predomínio de variantes que implicam a utilização de um número ímpar de jogadores, à semelhança do que acontece no Fut-11.

Conclusões
Hoje em dia verifica-se que nos principais países Europeus não existe uma matriz comum acerca das variantes de jogo utilizadas nos campeonatos infantojuvenis.
Contudo, emerge uma tendência para a maioria dos países utilizar 4 variantes de jogo durante as etapas de formação.
Das variantes utilizadas, destacam-se o Fut-11 que é utilizado em todos os países, seguindo-se o Fut-7, Fut-9 e o Fut-5 também com elevada percentagem de utilização.Estes resultados sugerem uma preocupação pedagógica no ensino do futebol nos diferentes países Europeus durante as etapas de formação até se chegar ao jogo de 11v11.Contudo, ainda existem Associações de Futebol em Portugal que utilizam apenas as variantes de Fut-11 e Fut-7. 
Estima-se que a transição progressiva entre diferentes variantes de jogo possa contribuir para uma aprendizagem mais consistente do futebol, e eventualmente reverter em mais e melhores jogadores.
Segundo (Pacheco, 2014) a utilização de variantes de jogo com menores dimensões e com menos jogadores facilita a aprendizagem da lógica interna do jogo e à medida que os jovens evoluem, então sim, deveria pensar-se na progressão para espaços de jogo de maiores dimensões, até se chegar ao Fut-11. A pressa em se chegar ao Fut-11 não faz sentido.
Para terminar, deixamos uma sugestão prática a ser aplicada no âmbito do futebol infantojuvenil.    
• Até ao escalão de Sub-6, utilizar a variante de Fut-3, com o guarda-redes avançado, para promover a superioridade numérica do ataque e impedir as excessivas perdas de bola caraterísticas desta etapa; ou como alternativa o Fut-3 com balizas reduzidas para evitar a especialização precoce no posto específico de guarda-redes;   
• Nos Sub-7 e Sub-8, utilizar a variante de Fut-5;   
• Nos Sub-9 e Sub-10, utilizar o Fut-7 sem a regra do fora do jogo;   
• Nos Sub-11 e Sub-12, continuar a utilizar o Fut-7 mas agora com a regra do fora do jogo;   
• Nos Sub-13 e campeonatos distritais de Sub-14, utilizar o Fut-9;   
• A partir dos Sub-14 (campeonato nacional) e Sub-15 (campeonatos distritais), utilizar o formato de Fut-11.
 
Texto Opinião : Professor Doutor Ângelo Miguel Brito

 




Partilhar
Luís Leal

Palavras levam o vento... faltam políticos e políticas desportivas.

Paulo Ferreira

O COVID-19 CONVIDA AO FUTEBOL?

Ângelo Miguel Brito

NUTRIÇÃO E O IMPACTO NA PERFORMANCE DESPORTIVA

Gonçalo Novais

COMO O BENFICA PERDE O RUMO EM MEIO ANO

Gonçalo Novais

QUARENTENA DA BOLA - UM PROJETO DE EXCELÊNCIA

Gonçalo Novais

FC PORTO E BENFICA - DOIS «GRANDES» QUE SE MERECEM

Simão Neto

AS CLÁUSULAS DE RESCISÃO MILIONÁRIAS

Simão Neto

Desporto uma Escola de Valores para a vida…

Luís Leal

BRINCADEIRA DE EQUIPA, UNIÃO OU VIOLÊNCIA

Comentários

    • José Adérito Moreira

      Fui durante cerca de 14 anos treinador de vários escalões ,sendo que o escalão mais baixo etário foi sub 11 e o mais alto juniores. Uma das grandes dificuldades que encontrei em vários clubes , foi o não terem a capacidade para poder separar nos devidos escalões as faixas etárias respetivas nos devidos escalões. Sendo que se torna mais difícil o trabalho do formador e no caso dos atletas o interpretativo. Pois quando a diferença etária é mais acentuada e na minha opinião 2 anos já tem um reflexo muito acentuado. Quanto há distribuição dos atletas pelas faixas etárias adequando ao número de jogadores e espaços no terreno de jogo, parece me adequada . Claro que acho que devem continuar os estudos para avaliar as evoluções. Espero ter contribuído com algo útil.

Deixe um comentário